quinta-feira, 10 de junho de 2021

HOJE É O NOSSO ANIVERSÁRIO!

 ​Exacto! Completamos hoje nove anos de existência, pois nascemos a 10 de Junho de 2012... Tem sido uma já longa caminhada com muitas alegrias e algumas (não muitas) situações de tristeza e/ou de angústias, o que sempre acontece na vida de qualquer um.
Bem gostaríamos de festejar esta efeméride com "pompa e circunstância", mas, obviamente, tal não é possível. Mas vamos continuar esta viagem enquanto não nos faltarem as energias.
E aqui fica o nosso imenso e bedéfilo abraço a todos os que nos têm acompanhado e incentivado. Haja saúde e força!

L.B.

segunda-feira, 7 de junho de 2021

NOVIDADES EDITORIAIS (218)

BRISA DE MAR - ​Edição: Ala dos Livros. Autor: Hugo Pratt, e um belo e elucidativo prefácio por Jean-Claude Guilbert, que por insistência de Pratt, sempre serviu de modelo para o oficial polaco que é um dos principais da série.
Trata-se do terceiro tomo da empolgante obra "Os Escorpiões do Deserto", série que para nós, ultrapassa a das aventuras do tão popular "Corto Maltese".
Nesta sedutora série tudo é ferozmente escaldante: a zona onde decorre a narrativa, por exemplo, é no quase árido cantinho africano que é hoje a República do Djibuti, com a capital na cidade do mesmo nome. Mas nesse tempo (o da 2.ª Grande Guerra Mundial), também por estas zonas africanas, andavam todos ao "sopapo", olá se andavam: os nativos locais, os italianos, os alemães, os franceses das tendências de Pétain e de De Gaulle, os ingleses, os árabes e... e por aí adiante! Era um ver se te avias e um salve-se quem puder!
Por sua vez, "Brisa de Mar", era o nome de um popular bordel local...
Hugo Pratt passou por aqui, enquanto jovem. Daí o seu impecável registo com fantasia e com realismo nesta admirável série.
Obrigatório ler!


VAZIO - ​Edição Escorpião Azul. Autor: Carlos Páscoa.
O autor é mais um que nos surge da "forja-BD" de Beja. É bem valoroso e chamativo. Todavia, também nos confunde pelo inquietante vazio que nos apresenta. O vazio que nos indica, é árido e sufocante, não sendo uma situação de passagem... É, se bem pensarmos, uma realidade assustadora, quiçá constante.
O que é a multidão tresloucada? O que é estarmos em luta intensa e confusa com a nossa mente?
Parece que, hoje em dia, é bem amargo estar-se vivo!...



OS COVIDIOTAS - ​Edição: Ala dos Livros. Autor: Luís Louro. E um Prefácio de grande e importante leitura, pela Dr.ª Celeste Lopes Gonçalves.
Um álbum muito especial com o aplaudível sarcasmo do Luís Louro, que não necessita apresentações, pois já é, em absoluto, um grande da nossa Banda Desenhada.
Não há hipótese de qualquer tipo de fuga, pois a angústia e a desgraça, sempre nos cativaram para as paródias necessárias... Friso: paródias necessárias!
O nosso tão maltratado planeta Terra, entrou numa aflitiva linha de sobrevivência por causa de uma bizarra e inquietante pandemia (versão Século XXI)... Raio de situação!
Mas ao fim e ao cabo, as pandemias sempre existiram e fizeram 
estragos monumentais sobre a espécie humana que lá foi sobrevivendo até agora, mesmo também ante algumas condenáveis programações executadas pelo próprios humanos: o holocausto nazi, as explosões atómicas em Hiroxima e Nagasáqui, os sucessivos genocídios por aqui ou por ali... Tanta e tanta estonteante porcaria!
Talentosamente e com a sua plena ironia, o Luís Louro, neste álbum delirante, leva-nos a rir contra a amargura do dia-a-dia.
Magnífico e salutar optimismo!!


MESAJUL - ​Edição da Association de Bedephiles de Roumanie, 2021. Autores: argumento de Sandu Alexandru e arte do grande desenhista veterano Puiu Manu.
"Mesajul" ("A Mensagem", em português) é um bonito mini-álbum com uma terna temática pedagógica e ecologista.
Até poderia ter uma válida edição em português... Quem sabe?
LB

quarta-feira, 2 de junho de 2021

BREVES (94)

 REGRESSAM AS EXPOSIÇÕES AO CPBD

Abriram no passado dia 29 de Maio, na sede do Clube Português de Banda Desenhada (sita na Avenida do Brasil, n.º 52 - Amadora), as exposições "José Ruy e os Quadrinhos" e "A Banda Desenhada Portuguesa é Super!", ambas com o apoio da Bedeteca de Beja.
Após meses encerrado, o Clube reabriu portas para mostrar duas exposições de carácter completamente diferente. De um lado, José Ruy, um dos clássicos autores portugueses, que continua a produzir, desde há décadas, algumas das peças mais marcantes da BD portuguesa. Do outro, uma exposição colectiva, onde uma vaga de autores bem mais jovens, como André Lima Araújo, Daniel Henriques, Daniel Maia, Eliseu Gouveia, Filipe Andrade, João Lemos, Jorge Coelho, Miguel Mendonça, Miguel Montenegro, Nuno Plati, Ricardo Tércio e Ricardo Venâncio, se focam no mundo dos Super-Heróis.
Para ver todos os sábados, entre as 16:00 e as 19:00 horas, até 14 de Agosto.
As entradas estão limitadas a 4 pessoas de cada vez, de acordo com as normas da DGS (até indicação em contrário).


ANIVERSÁRIOS EM JUNHO
Dia 03 - Roger Widenlocher (francês)
Dia 09 - André Juillard (francês) e Theo Caneschi (italiano)
Dia 10 - BDBD Blogue, Laerte (brasileira) e António Carichas
Dia 11 - Isabel Lobinho
Dia 14 - Luís Louro, Dodo Nitá (romeno), Cosey (suíço) e Jordi Bernet (espanhol)
Dia 21 - Peter Van Dongen (holandês)
​Dia 24 - Séra (franco-cambojano) e Joan Boix (espanhol)
Dia 27 - Jean Pleyers (belga)

LB/CR

sábado, 29 de maio de 2021

NOVIDADES EDITORIAIS (217)

DUELOS - ​Edição Asa. Autores, desta nova série criada por Jean Graton: argumento de Denis Lapière, arte de Benjamin Benéteau e Vincent Dutreuil, cores de Antoine Lapasset e capa por Bruno Tatti. Tradução de Ana Cristina Gonçalves.
Michel Vaillant, herói da série com o seu nome, é valoroso nos desportos automobilísticos, com algumas aventuras passadas em terras portuguesas. 
Dos 70 álbuns da primeira série, sete não foram editados no nosso país(!!). Depois, e ainda com Graton vivo, surgiu uma nova série (já com nove tomos), com outros responsáveis criativos.
A família "Vaillant" é, aparentemente, muito unida e orgulhosa dos seus triunfos e do seu património. Principais personagens: Élisabeth e Henri Vaillant (os pais de Michel); Jean-Pierre, irmão de Michel, que supostamente se suicidou e que tem um filho já adulto, Jean-Michel, que colabora com o tio campeão; por sua vez, Michel e Françoise, têm um filho, às vezes caprichoso, de nome Patrick.
No recente álbum, "Duelos", com algumas cenas no Minho português, tudo se centra na disputa pelo pódio do rali mundial. Há um jovem e ambicioso parceiro de Michel, David Farid (que, pelo seu apelido, tudo indica que, apesar de francês, é de origem magrebina). Ao longo da narrativa, Michel Vaillant, vai perceber que o seu adversário não é nenhum dos concorrentes, mas sim o próprio Farid, que o quer "arrumar"!... Mas tudo acabará bem, como soe dizer-se. Por sua vez, o "velhote" Henri Vaillant, cansado e doente, toma a decisão de legar o seu responsável cargo a alguém de alta confiança e, para surpresa de todos, a escolha recai sobre a sua nora Françoise...
Um senão nesta nova série: os personagens fundamentais, Michel Vaillant e o seu amigo norte-americano Steve Warson, e até mesmo Henri Vaillant, aparecem incrivelmente rejuvenescidos, o que lhes retira a devida credibilidade. Bizarria ou incapacidade devida dos novos desenhistas?
De resto, quanto ao argumento, segue de perto a linha melodramática habitual num aceitável acerto.
Esta "nova série" vai continuar.


DOM QUIXOTE - ​Edição RTP/Levoir. Autores, segundo Miguel de Cervantes: adaptação e guião de Philippe Chanoinat e Djan e arte de David Pellet. A capa, no original francês, seria de Chris Regnault, que foi abandalhada na versão portuguesa!...
Desta edição, com tradução de Pedro Cleto, damos o apoio que o "herói" e Cervantes bem merecem, fazendo notar que o álbum foi lançado em Portugal a 23 de Abril, ou seja, no Dia Mundial do Livro.
Recordamos, para devidos efeitos, que o BDBD, publicou a 25 de Novembro de 2016, um post a ler ou a reler aqui, sob o título "Evocando Miguel de Cervantes"...
LB

quarta-feira, 19 de maio de 2021

CAPAS (21) - DON LAWRENCE

Don Lawrence (1928-2003)
Exuberante e cativante desenhista inglês, Don Lawrence (aliás, Donald Sautham), nasceu em Londres a 17 de Novembro de 1928 e faleceu, vítima de uma pneumonia, a 29 de Dezembro de 2003.
Com um traço vigoroso e espectacular e não menos grandiosas capas, criou séries que mundialmente se tornaram famosas, como "Eric, o Viquingue" (11 álbuns), "Olac, o Gladiador" (2 tomos), "Trigan
" ou "O Império Trigan" (16 álbuns) e "Storm" (18 álbuns). 
Estudou artes no Borough Polytechnic.
Abordou fugazmente "Tarzan" e passou pelo erotismo com a série "Carrie " (ou "Virginia"). Com menos relevância, também se dedicou ao western, como "Wells Fargo", "Pony Express", "Daniel Boone", "David Crockett", "Billy, the Kid", "Buffalo Bill", etc. 
Estreou-se na BD, em 1954, com "Marvelman".
Para as séries "Storm" e "Trigan", chegou a emparceirar para os argumentos, com Mike Butterworth, Saul Dunn, Dick Matena, Kelvin Gosnell e Martin Lodwijk.
Aqui se registam algumas das suas belas capas.

LB

segunda-feira, 10 de maio de 2021

CAPAS (20) - VICENTE SEGRELLES

Este magnífico artista catalão, Vicente Segrelles (aliás, Vicente Segrelles Sacristan), nasceu em Barcelona a 9 de Setembro de 1940. 
Aos catorze anos, já desenhava e pintava.
Fez ilustrações publicitárias, elaborou capas para a revista italiana de ficção-científica "Urania" e abordou também a vertente humorística com a série "El Sheriff Pat". 
Mas a sua obra por excelência é a deslumbrante série de ficção-cientifica, "O Mercenário", com mais de uma dezena de álbuns publicados em cerca de 14 países, com Portugal incluído.
No seu espantosamente belo estilo, é quase um caso único, onde cada vinheta e cada capa são autênticos quadros de Pintura.
Esta espectacular série bem merecia ser reeditada entre nós, pois consta que está esgotada. Será?...
Aqui vão algumas das suas belas capas.
LB

sábado, 1 de maio de 2021

BREVES (93)

EXPOSIÇÃO-HOMENAGEM A JOSÉ GARCÊS CONTINUA ADIADA...
Depois de ter sido adiada, no passado ano, a exposição-homenagem a José Garcês - infelizmente, já a título póstumo -, que a Câmara Municipal de Moura e o Gicav se preparavam para organizar, eis que novo adiamento se perspectiva, algo que não surpreende, dadas as circunstâncias.
A situação de pandemia que atravessamos obriga-nos, a todos, a fazer a nossa parte e é nesse sentido que ficou acordado avançar com a produção da exposição apenas quando haja condições mínimas de segurança e de êxito da iniciativa. Não faria sentido avançar para um projecto que, pese as medidas de segurança que se lhe pudessem aplicar, não teria o mesmo brilho, certamente.
Teremos, pois, que aguardar mais algum tempo até esta exposição ser uma realidade.  


FALECEU GONZALO MAYO, DESENHADOR DE "VAMPIRELLA"
Gonzalo Mayo
(26.01.1939-30.03.2021)
O desenhador peruano Gonzalo Mayo deixou-nos, no passado dia 30 de Março.
Radicado na Flórida (EUA) há largos anos, Mayo iniciou a carreira, em 1963, no seu país natal, publicando no jornal Expresso.
A qualidade do seu trabalho chamou desde logo a atenção do director do suplemento dominical Estampa, para o qual produziu capas, ilustrações avulsas e colecções de cromos.
Depois de colaborar com várias editoras peruanas, emigrou para o México, desiludido com o rumo político que o seu país levava (após o golpe de estado de 1968).
Aí inicia uma longa colaboração com a Editorial Novara. A proximidade com os Estados Unidos, contudo, acabou por motivar também colaborações com editoras americanas, onde produziu inúmeras histórias de Terror para revistas como Eerie, Creepy ou Vampirella (desta última, chegou a ser o "desenhador oficial" da personagem, durante alguns anos).
Que descanse em paz.


ANIVERSÁRIOS EM MAIO

Dia 02 - Jerry Scott (estado-unidense)
Dia 03 - Bill Sienkiewicz (estado-unidense)
Dia 04 - Tito (espanhol) e José Luis Galiano (espanhol)
Dia 05 - Adam Hughes (estado-unidense)
Dia 08 - Dino Attanasio (italiano)
Dia 09 - José Ruy e Rui Lacas
Dia 15 - Dani Almeida
Dia 22 - Veronik Frossard (suíça)
Dia 26 - Luís Diferr
Dia 28 - Johann Sfar (francês) e Bartolomé Segui (espanhol)
Dia 31 - Miguel Rebelo
CR/LB

sábado, 24 de abril de 2021

TALENTOS DA NOSSA EUROPA (50) - SUAT YALAZ (Turquia)

Suat Yalaz (1932-1992)
A Turquia, que marca hoje o que sobrou do terrível Império Otomano, é um país bizarro, pois divide-se entre a Ásia (a maior extensão) e um relativamente pequeno território na Europa. 
O grande líder foi Mustafá Kemal Ataturk, que logo encetou a modernização do país, incluindo a adopção do alfabeto latino e a total liberdade de cultos religiosos. Hoje, a Turquia, é dirigida por um quase ditador megalómano, Recep Tayyip Erdogan, que tem levado o país a andar para trás...
No que toca à Banda Desenhada, tem imensos desenhistas, cartunistas e caricaturistas. Daqui, o grande e merecido destaque vai para Suat Yalaz, que nasceu a 1 de Janeiro de 1932 em Çiçekagi (na parte asiática) e faleceu em Istambul (na parte europeia) a 2 de Março de 1992.
Chegou a usar os pseudónimos Gi-Toro, Jimmy Toro e Walter Kinim.
Além de desenhista, também foi capista e cineasta.
Por um largo tempo da sua vida, dividiu-se entre Paris e Istambul. Estudou na Faculdade de Belas Artes de Istambul.
Preferencialmente, abordou temas históricos, mais ou menos medievais, mas não se esquivou ao humor e ao erotismo. "Satanika", "Lady Sex", "O Náufrago das Bermudas" ou "Futurella", são alguns títulos da sua obra erótica. 
Pranchas de "Futurella"

Pelo humor, salienta-se a sua paródia a "Tarzan" e "Bolizoros".
Cenas de uma paródia a "Tarzan"
Tira de "Bobizoros"

As suas obras mais marcantes são "Changor"...




"Kébir"...




"Ringo"...




"Karaoglan" (ex-"Kaan")....


...e "Sony".


Para o Cinema/TV, dirigiu e/ou adoptou a sua série-BD "Karaoglan".
Muito estimado e popular na sua Turquia, também foi bem apreciado em França, Bélgica, Suíça e Argélia. Em Portugal, nada consta...

LB