terça-feira, 29 de junho de 2021

BREVES (95)


SUSA MONTEIRO EXPÕE DESENHOS EM LEIRIA


Susa Monteiro tem, por estes dias, patente em Leiria uma exposição individual intitulada "Viagem ao Paraíso". 
Trata-se de uma mostra de trabalhos digitais que permitem, nas palavras da autora, "explorar novas paletas de cores que só estão acessíveis neste formato".
A exposição pode ser visitada - respeitando sempre as regras de segurança - até 5 de Julho, na Galeria da Livraria Arquivo, de segunda a sexta-feira, das 12:00 às 20:00, e ao sábado entre as 10:00 e as 20:00 horas.


LAMIRÉS E ZUNZUNS...
Ilustração de Jesse Ruben Feld, segundo Norman Rockwell
Por aqui, nada significa que são notícias concretas nem que são falsas notícias, apenas tópicos do que nos vai constando, pois há sempre um fundo de autenticidade envolto ainda num certo nevoeiro. Ora vejamos:
- Neste 2021, ao que ouvimos, vai enfim reaparecer o tão digno festival de BD em Beja, em data a ajustar. Oxalá!
- O nosso admirável veterano Pedro Massano que, aparentemente, tinha abdicado da Banda Desenhada(?!), programa-se para regressar com uma biografia de Dom Nuno Álvares Pereira. Que não hesite e se entusiasme!
- Outro grande da nossa 9.ª Arte, Augusto Trigo (que em breve entrevistaremos aqui), espera que um editor e um argumentista não o deixem ingratamente esquecido. Este "vazio" não é nada aceitável no que toca a este nosso tão notável desenhista!
- Pela calada e em segredo, João Amaral prepara novo álbum. Mas não divulga nada por enquanto. E cá vai a nossa amiga ironia: ele adora os tabus, tal como o nosso ex-Presidente Cavaco Silva. Pois, cada um lá tem o seu sistema...
- A parceria RTP/LEVOIR tem andado a baralhar o entusiasmo dos nossos bedéfilos no que toca à série "Clássicos da Literatura em BD", pois programou e anunciou dois clássicos portugueses (também com o seu tabuzito...), "Os Maias" de Eça de Queiroz e "Amor de Perdição" de Camilo Castelo Branco, mas estes tomos não aparecem!... Ele há coisas! Haja bom senso e mais respeito pelos nossos leitores bedefilos!



Walli (1952-2021)
FALECEU O DESENHADOR WALLI


André Van Der Elst, aliás Walli, faleceu no passado dia 23 de Maio, aos 69 anos.
Nascido em Bruxelas (Bélgica) a 6 de Abril de 1952, Walli colaborou com inúmeros argumentistas como Noiret, Griffo, Bob De Groot, Bom, etc.
Autor ligado à Lombard durante mais de duas décadas, Walli fez parte da equipa do Jornal do Tintin e desenhou, entre outras, as séries "Modeste & Pompon", "Chlorophylle" e "Cosmic Conection". 



ANIVERSÁRIOS EM JULHO
Dia 03 - Arlindo Fagundes
Dia 07 - Ionut Popescu (romeno)
Dia 10 - Juan Espallardo (espanhol)
Dia 11 - João Mascarenhas
Dia 12 - Ricardo Cabrita
Dia 16 - Hugues Barthe (francês) e Miguelanxo Prado (espanhol)
Dia 17 - Hermann (belga)
Dia 19 - Rui Mendes e Jordi Planellas (andorrano)
Dia 23 - Carlos A. Almeida (do GICAV)
​Dia 25 - Attila Fazekas (húngaro)
Dia 30 - Achdé (francês)
Dia 31 - Lança Guerreiro
CR/LB

segunda-feira, 21 de junho de 2021

NOVIDADES EDITORIAIS (219)

O ÚLTIMO HOMEM... - ​​Edição Gradiva. Autores: argumento de Jérôme Félix e arte de Paul Gastine. Tradução de Jorge Lima.
Os épicos tempos dos corajosos vaqueiros conduzindo o gado está a chegar ao fim, pois o eficaz e rápido comboio irá substitui-los. Neste anunciado estertor, os vaqueiros, que muitas vezes eram também pistoleiros e justiceiros de gatilho fácil, ainda vão resistindo.
É o caso de Russell que, ao fazer uma paragem para visitar a viúva de um amigo, aí descobre que Marta também já havia falecido, restando o pequeno Bennett que não deve muito à inteligência.
Mais adiante, numa pequena paragem em Sundance, no dia seguinte, o jovem órfão é encontrado morto!... A autoridade local afirma, por conveniência própria, que foi um acidente,
desculpa que Russell não aceita, sendo expulso da cidade. Porém, Russell, não se conforma e vai fazer tudo para descobrir quem matou Bennett. Começa então uma implacável aventura e busca pela verdade. E outras mortes acontecem (por assassínio), entre elas a do próprio Russell...
Dez anos mais tarde... bem, isso agora não revelamos. Leiam o álbum!


Mais um... DON QUIJOTE - ​Edição Editorial Doncel, da colecção Trinca. Autores: texto de Miguel de Cervantes ("Don Quijote de la Mancha") e arte do casal Nydia Lozano e Leopoldo Sánchez.
Será uma primeira parte, que não terá tido continuação (?!...), mas o tomo transmite-nos uma das mais belas adaptações à BD feitas da imortal obra de Cervantes.
A parceria e cumplicidade do casal Nydia e Leopoldo, em paralelo, lembra-nos a do saudoso casal belga Liliane e Fred Funcken. Um e outro casal, impecáveis nos seus trabalhos pela Ilustração e pela Banda Desenhada.


DIONYSOS - ​Edição Glénat. Autores principais: argumento de Clotilde Bruneau, grafismo de Gianenrico Bonacorsi, cores de Ruby, capa de Fred Vignaux e um dossiê final por Luc Ferry, coordenador desta série, "La Sagesse des Mythes".
De todas as mitologias a Grega é a mais galvanizante e maravilhosa pelo "universo" de personagens e episódios... Mais: bem astutos, os gregos fizeram os seus deuses à sua imagem e semelhança, enquanto a Bíblia optou precisamente numa ideia inversa, o que deixa o deus judaico-cristão em maus lençóis...
"Dionysos" (Dionísio, em português), que em Roma tomou o nome de Baco, é um deus muito especial pois terá nascido "duas vezes": concebido por Zeus numa humana (a princesa Sémele), falecida esta Zeus instalou o feto numa das suas coxas, onde acabou por ser gerado. O pior foi o constante ódio de Hera (a esposa de Zeus) que não tolera a traição do seu divino marido e que deseja aniquilar Dionísio...
Mas este cresceu, tornou-se belo e irresistivelmente sedutor, viajou muito, agarrando-se também aos valores da terra, donde terá, pelo cultivo da vinha, inventado o vinho. E foi a loucura... pois se o vinho muitas vezes cura, bebido abusivamente entontece.
Este deus especial era implacável para quem fosse contra ele, mas sabia proteger todos os que o admiravam e era seguido por uma boa multidão, para além do seu fiel amigo Sileno, composta por sátiros, centauros, ninfas, ménades, etc. e também pelos agricultores que o elegeram como seu deus protector. 
Organizava e participava em certos rituais específicos, sobretudo as orgias desbragadas, onde os efeitos do vinho exagerado e o sexo total e livre estavam sempre na "ordem do dia".
Hera, inconformada, acabou por ceder e aceitar que Dionísio, um vago e bastardo semi-deus, fosse levado por Zeus ao Olimpo, já promovido a deus como os outros.
LB

quarta-feira, 16 de junho de 2021

​HERÓIS INESQUECÍVEIS (75) - ​MAJOR ALVEGA


A 7 de Janeiro de 1956, no jornal inglês "Sun", nasceu o famoso Major Alvega, no original, Battler Britton. Seus autores foram o argumentista Mike Butterworth e o desenhista Geoff Campion (1916-1997).
Capa da revista "Sun", onde
Battler Britton se estreou
As suas heroicas e destemidas proezas logo conquistaram o público britânico, mas também os
de França e de Portugal. 
Chegou a ser desenhado por outros artistas, muitos deles de grande renome como Colin Merritt, José Ortiz, Dino Battaglia ou Hugo Pratt.
Em Portugal, o aplaudido tenente-coronel da Força Aérea Britânica, teve as suas aventuras publicadas na segunda fase da revista "O Falcão", de 1961 a 1987. Era dirigida por Gabriel Ferrão, depois por M. Ferreira do Rosário e depois ainda, por Camilo Saraiva.
Mais tarde, foram reeditadas na revista "Selecções BD" (2.ª série) duas das primeiras aventuras deste herói, desenhadas magistralmente pelo britânico Geoff Campion...

Pranchas da primeira aventura do Major Alvega, por Geoff Campion (desenho) e
Mike Butterworth (argumento), in revista "Selecções BD" (2.ª série), (Dezembro de 1998)

...assim como uma outra aventura ("Os Rivais") na Colecção Banda Desenhada, editada pela revista "Visão" em 2016, com desenho de George Stokes.

Capa e pranchas do #1 da Colecção Banda Desenhada, Ed. revista "Visão" (2016),
reprodução da revista "O Falcão" (2.ª série) #577 (17.08.1971)

Entre nós, devido a um repelente capricho da política salazarista, foi crismado com um nome português , como aconteceu com outros heróis-BD estrangeiros. Assim, este, não só desce de tenente-coronel para major, como passa a ser luso-britânico, filho de um ribatejano e de uma inglesa, com o nome de Jaime Eduardo de Cook e Alvega, que até estudou em Coimbra, não se sabendo se cantou serenatas às belas tricanas...


Para glória da situação deste herói entre nós, em 1998/1999, foi criado um muito notável seriado (infelizmente curto) para a Televisão, com produção da Miragem e realização de Henrique Oliveira. Esta série foi também exibida em alguns países europeus.
Os actores principais são: Ricardo Carriço como "Major Alvega", Rosa Bella como "Menina/Fräulein Helga Schmidt" e António Cordeiro (1959-2021) numa brilhante interpretação do histérico e ridículo "Coronel Helmut von Block", com locução narrativa do saudoso Fernando Pessa.
O primeiro episódio da série televisiva emitida na RTP

António Cordeiro, Ricardo Carriço e Rosa Bella, os principais actores da série

Esta série televisiva, até agora única para a Televisão/Cinema, bem merecia ser editada e estar à venda em DVD, mas... É preciso explicar?
Contentemo-nos em registar o "Major Alvega" em Banda Desenhada, como um herói inesquecível.
LB



Capa e pranchas de "Battler Britton and the Rockets of Revenge", por V.A.L. Holding (texto)
e Hugo Pratt (desenhos), Ed. War Picture Library. Trata-se de uma reedição, em formato maior
do que a edição original, que tem previsto o seu lançamento no próximo dia 24 de Junho!

quinta-feira, 10 de junho de 2021

HOJE É O NOSSO ANIVERSÁRIO!

 ​Exacto! Completamos hoje nove anos de existência, pois nascemos a 10 de Junho de 2012... Tem sido uma já longa caminhada com muitas alegrias e algumas (não muitas) situações de tristeza e/ou de angústias, o que sempre acontece na vida de qualquer um.
Bem gostaríamos de festejar esta efeméride com "pompa e circunstância", mas, obviamente, tal não é possível. Mas vamos continuar esta viagem enquanto não nos faltarem as energias.
E aqui fica o nosso imenso e bedéfilo abraço a todos os que nos têm acompanhado e incentivado. Haja saúde e força!

L.B.

segunda-feira, 7 de junho de 2021

NOVIDADES EDITORIAIS (218)

BRISA DE MAR - ​Edição: Ala dos Livros. Autor: Hugo Pratt, e um belo e elucidativo prefácio por Jean-Claude Guilbert, que por insistência de Pratt, sempre serviu de modelo para o oficial polaco que é um dos principais da série.
Trata-se do terceiro tomo da empolgante obra "Os Escorpiões do Deserto", série que para nós, ultrapassa a das aventuras do tão popular "Corto Maltese".
Nesta sedutora série tudo é ferozmente escaldante: a zona onde decorre a narrativa, por exemplo, é no quase árido cantinho africano que é hoje a República do Djibuti, com a capital na cidade do mesmo nome. Mas nesse tempo (o da 2.ª Grande Guerra Mundial), também por estas zonas africanas, andavam todos ao "sopapo", olá se andavam: os nativos locais, os italianos, os alemães, os franceses das tendências de Pétain e de De Gaulle, os ingleses, os árabes e... e por aí adiante! Era um ver se te avias e um salve-se quem puder!
Por sua vez, "Brisa de Mar", era o nome de um popular bordel local...
Hugo Pratt passou por aqui, enquanto jovem. Daí o seu impecável registo com fantasia e com realismo nesta admirável série.
Obrigatório ler!


VAZIO - ​Edição Escorpião Azul. Autor: Carlos Páscoa.
O autor é mais um que nos surge da "forja-BD" de Beja. É bem valoroso e chamativo. Todavia, também nos confunde pelo inquietante vazio que nos apresenta. O vazio que nos indica, é árido e sufocante, não sendo uma situação de passagem... É, se bem pensarmos, uma realidade assustadora, quiçá constante.
O que é a multidão tresloucada? O que é estarmos em luta intensa e confusa com a nossa mente?
Parece que, hoje em dia, é bem amargo estar-se vivo!...



OS COVIDIOTAS - ​Edição: Ala dos Livros. Autor: Luís Louro. E um Prefácio de grande e importante leitura, pela Dr.ª Celeste Lopes Gonçalves.
Um álbum muito especial com o aplaudível sarcasmo do Luís Louro, que não necessita apresentações, pois já é, em absoluto, um grande da nossa Banda Desenhada.
Não há hipótese de qualquer tipo de fuga, pois a angústia e a desgraça, sempre nos cativaram para as paródias necessárias... Friso: paródias necessárias!
O nosso tão maltratado planeta Terra, entrou numa aflitiva linha de sobrevivência por causa de uma bizarra e inquietante pandemia (versão Século XXI)... Raio de situação!
Mas ao fim e ao cabo, as pandemias sempre existiram e fizeram 
estragos monumentais sobre a espécie humana que lá foi sobrevivendo até agora, mesmo também ante algumas condenáveis programações executadas pelo próprios humanos: o holocausto nazi, as explosões atómicas em Hiroxima e Nagasáqui, os sucessivos genocídios por aqui ou por ali... Tanta e tanta estonteante porcaria!
Talentosamente e com a sua plena ironia, o Luís Louro, neste álbum delirante, leva-nos a rir contra a amargura do dia-a-dia.
Magnífico e salutar optimismo!!


MESAJUL - ​Edição da Association de Bedephiles de Roumanie, 2021. Autores: argumento de Sandu Alexandru e arte do grande desenhista veterano Puiu Manu.
"Mesajul" ("A Mensagem", em português) é um bonito mini-álbum com uma terna temática pedagógica e ecologista.
Até poderia ter uma válida edição em português... Quem sabe?
LB

quarta-feira, 2 de junho de 2021

BREVES (94)

 REGRESSAM AS EXPOSIÇÕES AO CPBD

Abriram no passado dia 29 de Maio, na sede do Clube Português de Banda Desenhada (sita na Avenida do Brasil, n.º 52 - Amadora), as exposições "José Ruy e os Quadrinhos" e "A Banda Desenhada Portuguesa é Super!", ambas com o apoio da Bedeteca de Beja.
Após meses encerrado, o Clube reabriu portas para mostrar duas exposições de carácter completamente diferente. De um lado, José Ruy, um dos clássicos autores portugueses, que continua a produzir, desde há décadas, algumas das peças mais marcantes da BD portuguesa. Do outro, uma exposição colectiva, onde uma vaga de autores bem mais jovens, como André Lima Araújo, Daniel Henriques, Daniel Maia, Eliseu Gouveia, Filipe Andrade, João Lemos, Jorge Coelho, Miguel Mendonça, Miguel Montenegro, Nuno Plati, Ricardo Tércio e Ricardo Venâncio, se focam no mundo dos Super-Heróis.
Para ver todos os sábados, entre as 16:00 e as 19:00 horas, até 14 de Agosto.
As entradas estão limitadas a 4 pessoas de cada vez, de acordo com as normas da DGS (até indicação em contrário).


ANIVERSÁRIOS EM JUNHO
Dia 03 - Roger Widenlocher (francês)
Dia 09 - André Juillard (francês) e Theo Caneschi (italiano)
Dia 10 - BDBD Blogue, Laerte (brasileira) e António Carichas
Dia 11 - Isabel Lobinho
Dia 14 - Luís Louro, Dodo Nitá (romeno), Cosey (suíço) e Jordi Bernet (espanhol)
Dia 21 - Peter Van Dongen (holandês)
​Dia 24 - Séra (franco-cambojano) e Joan Boix (espanhol)
Dia 27 - Jean Pleyers (belga)

LB/CR