segunda-feira, 28 de outubro de 2019

HERÓIS INESQUECÍVEIS (67) - TÓNIUS

Também conhecido como Tónius, o Lusitano, este ​herói da BD Portuguesa, tão divertido como ​atrevido guerreiro, teve vida quase efémera.
E ​curta foi também a vida do seu sempre inspirado desenhista, André (aliás, José Maria Ferreira ​André, 1939-1993).
Infelizmente, até ao momento, ​não conseguimos obter uma foto de André!... Mas ​conhecêmo-lo pessoalmente numa das primeiríssimas edições das "Sobreda-BD".
Gemadinha, da época da Pré-História, é outro herói ​divertido também desenhado por André, para a ​saudosa revista-BD "Visão". Mas foi Tónius que o​ celebrizou.
​É em 1979, no início da 2.ª fase da edição portuguesa ​da revista "Spirou", que nasce Tónius, com argumento ​de Fernando Tito e arte de André. Foi então (e é) o ​episódio "A Truta de Ouro", também reeditado no "Jornal ​da BD". Nunca foi editado em álbum, excepto em países ​além-Pirinéus!
Capas das revistas "Spirou" #1 (10.04.72) e "Jornal da BD" #115 (16.10.84)...
...e duas pranchas da primeira aventura de Tónius.

 Capas de edições estrangeiras (Holanda e Finlândia) com a aventura de Tónius, "A Truta de Ouro".

​Em 1985, o segundo episódio: "Uma Aventura nas Astúrias" ​no "Jornal da BD"...
Capa da revista "Jornal da BD" #159 (20.08.85)

...e, pelas Edições Publica, em álbum, aliás ​o único que existe entre nós (e, cremos, que esgotado).
Capa de "Uma Aventura nas Astúrias", por André (desenhos) e Tito (argumento)
Editorial Publica (1981)

Depois veio o terceiro episódio (em que ano?...), "A Invas​ão ​dos Alfa", que permanece inédito (incrível!!!...) em Portugal, ​mas que foi publicado na Bélgica.
​André e Fernando Tito programaram mais dois episódios: "A ​Pedra do Norte", que ante o argumento todo feito, só teve ​seis pranchas desenhadas; e "Tónius e as Sete Maravilhas do ​Mundo", que se ficou apenas por… uma ideia!
​Nestas desaventuras do próprio Tónius, os seus criadores ​traíram-no, pois abandonaram esta série por estranhos ​"desaguisados" (entre ambos ou com a editora prevista?)... Que mágoa esta inesperada desistência!
No entanto, Tónius, ​foi editado em Espanha, Bélgica, Holanda e Finlândia. Parabéns, Tónius!
​Pormenores pertinentes:
​1 - Tónius vive com todos os seus na aldeia Pedróbiga. Seus grandes companheiros: Chicolindus e Tigágus; seu "chefe" da ​aldeia, Herminius, e ainda, o vidente Videntius. Como rival ​directo, o manhoso árabe Mohamed Ali Vou Já.
​2 - A bravura de Tónius inspira-se noutro (mas real) honroso ​lusitano, Viriato. Agora, a "guerra" não é contra os Romanos ​(a época já fora!), mas sim, contra os Moiros (até hoje, sempre ​ávidos de tudo).
​3 - Um erro venenosamente propagado pelos imbecis: há uma tendência fácil e impensada de se comparar a série "Tónius" de ​André / F.Tito à de "Astérix" de Goscinny /Uderzo!... Que ​precipitação tão pouco pensada!... Na verdade, há um certo paralelismo e alguma inspiração entre Tónius e Astérix, mas são mais paralelos do que convergentes:
a) ​Ambos vivem com todos os seus, em aldeias resistentes e isoladas: os Gauleses contra os Romanos, os Lusitanos (já na Idade Média) contra os Árabes/Moiros.
b) Astérix e companhia (excepto o Obélix), para terem força, ​têm de beber a fantasiosa "poção mágica", enquanto que ​Tónius se serve apenas na sua perícia de usar a funda (tipo ​fisga) e da astuta valentia dele próprio e dos seus.

​Obrigado André e obrigado Fernando Tito, por este tão ​divertido, encorajador e inesquecível herói da Banda Desenhada Portuguesa, o Tónius!
Fica a nossa pergunta, qual libelo acusatório: para quando as três aventuras deste herói, em álbum?!...
LB

3 comentários:

  1. o ALBUM PUBLICADO PELA PELA PUBLICA COMPREI-O ESTE VERÃO NO SISTEMA J, NA COSTA DA CAPARICA. TALVEZ AINDA O TENHAM.

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde!
    É, de facto, triste que passados todos estes anos as aventuras de Tónius e C.ª não se encontrem (facilmente) disponíveis no mercado português em especial a referida "A Invasão ​dos Alfa". Será que um crowdfunding poderia resolver o problema? Sou grande fã desta série desde miúdo. Tenho o álbum referido bem como os Spirou, os jornais da BD e ainda, a colecção (quase) completa das caricas/sameiras/cabazinhos que saíam no Sumol no início dos anos 80. Falta-me apenas o n.º 33 (logo da Sumol) e os cartões que entretanto perdi.
    Parabéns pelo blog e, em especial, por este post.
    Cumprimentos,
    Miguel Lázaro

    ResponderEliminar
  3. Possivelmente, já começa a ser velhice, mas depois de ter lido esta postagem, revivo os tempos áureos que passei com o André (na altura, Sr. André) e com o Fernando Tito (este era só Tito) e começo a ter algumas saudades daquela malta toda... Estrompa, Pilar, Cristina, Tito, André e a Fernandinha, que era a secretária deles os dois... Havia caricaturas de toda a gente espalhada por aquelas duas salas onde trabalhávamos. O Tito, André e a Fernandinha (ou será Teresinha? Bolas, já não tenho a certeza!) tinham uma sala independente e na outra era o Estrompa, eu, a Pilar e a Cristina. Uns mais do que outros, todos a trabalhar pela e para a Banda Desenhada! Eu, felicíssimo, nem acreditava naquilo; estava a fazer o que sonhava desde pequeno e só lá estava porque o saudoso Geraldes Lino, um dia, decidiu telefonar-me e perguntou-me se eu queria ir à Av. Defensores de Chaves ("ali, ao pé do Saldanha, porra"), responder a um anúncio, onde o Tito e o André trabalhavam e precisavam de um desenhador de letras. Seria não só para trabalhar com eles, com "Tónius", o Lusitano, mas também para a Walt Disney Productions, que tinha escritórios na mesma morada. Se eu tivesse asas, na altura, não tinha pensado duas vezes! "Tónius", ainda não me dizia muito... mas passados alguns tempos, eram álbuns, páginas, desenhos, cores, projectos e sonhos e mais sonhos por toda a parte!... Aquelas duas salas faziam as delícias de qualquer grupo de miúdos, por mais irrequietos e traquinas que fossem!... Era um primeiro andar espaçoso, mas não era só isso: era um mundo onde tudo podia acontecer, porque a casa-mãe da "Walt Disney" estava sempre a telefonar com novos projectos e ideias e isso mexia com o Tito e o André e inevitavelmente com todos nós. Depois de lá chegar e fazer os primeiros testes, deparei-me com mais de trinta candidatos que, também eles tentavam a sua sorte. O André gostou do meu trabalho e acabei por ser o escolhido. Bom, mas entre euforias, tristezas, altos e baixos - para mim eram só altos! -, lá fomos fazendo as capas, as cores, as legendas, a paginação, onde a mestria e o saber gráfico do Estrompa, o decalque da Pilar, a arte do André e o sonho do Tito reinavam com legítimos e plenos poderes!... E lembro-me perfeitamente de o Tito e o André falarem do "golpe" que tinham sofrido ao serem enganados pelo seu agente. Um contrato mal feito, obrigavam-nos a seguir uma política editorial do qual eles saíam profundamente prejudicados e isso forçou a morte do "Tónius"... Se quiserem, um dia, poderei contar esta história e até o facto de termos tido "em mãos" o projecto europeu da "Walt Disney", que mais tarde viria a ser construído em França. Foi tudo uma questão de dinheiro, de 16 milhões de contos, na altura, que o Governo não se mostrou interessado e a sua implementação seria feita no Alentejo... mas a pequenez dos nossos políticos não deixou que isso acontecesse... Enfim, estávamos em 1989/90! Depressa passaram 30 anos... Abraços e bom trabalho!

    ResponderEliminar