sábado, 25 de janeiro de 2020

ESPÁRTACO NA BD (E NÃO SÓ)

"Espártaco e a Revolta dos Escravos",
ilustração de Angus McBride
​É um magnífico personagem da História europeia.
​Todavia, hoje em dia, relatam-se mais as lendas à ​sua volta, que as verdades históricas. Mesmo os ​cronistas mais ou menos da época (Plutarco, Floro, ​Apiano, Salústio, etc.), têm opiniões divergentes. E ​nos tempos mais recentes, dois romancista, o ​norte-americano Howard Fast e o húngaro Arthur ​Koestler, não fugiram às fantasias, na definição e biografia(?!) deste incrível herói da e pela liberdade.
​Também o escritor Toby Brown, com o seu habitual ​estilo de subtil ironia, escreveu uma biografia de ​Espártaco, acompanhada de ilustrações humorísticas ​de Clive Goddard.
​Espártaco (Spartacus, no original) nem era o seu verdadeiro nome, mas sim uma alcunha que lhe foi dada quando era gladiador. Nasceu na Trácia, a norte da Grécia, extensa região que hoje se divide pela Macedónia, Grécia, ​Turquia e Bulgária, então por volta do ano 109 antes de ​Cristo, e veio a falecer numa violenta batalha, em 71 antes ​de Cristo, enfrentando os Romanos comandados por ​Marco Licínio Crasso.
​Espártaco foi pastor de ovelhas, depois mercenário, sendo aprisionado, feito escravo e enviado para a "academia" de gladiadores dirigida por Lêntulo Batiato.
​Era inteligente e culto e senhor de uma invejável bravura.
​Sempre ansiou por justiça e a liberdade, aspectos que não existiam nos caprichos de Batiato. Não suportando mais ​tais crueldades, ele e mais duzentos desses escravos-gladiadores, revoltaram-se e conseguiram escapar. Começava assim a ​sua épica história.
​Era secundado pelos seus companheiros gauleses, Criso e Enomau, ambos falecidos em combate, antes de Esp​ártaco.
​Os Romanos, sucessivamente derrotados pelo "exército" de Espártaco, desunhavam-se para o conhecer. Contudo, quando ​faziam prisioneiros, todos, por si só, diziam que eram Espártaco, ​o que mais confundia e enraivecia os senhores de Roma.

A Via Ápia onde seis mil revoltosos foram cruxificados.
Foram ​cerca de três anos de terríveis batalhas, até que as forças de ​Crasso venceram o libertador trácio, morto e quase esquartejado pelos Romanos. O seu corpo jamais foi encontrado!... Cruel, Crasso, mandou crucificar seis mil dos revoltosos ao longo da Via Ápia, de Cápua a Roma. Uma barbaridade imperdoável!
Espártaco tem uma estátua, por Denis Foyatier, no Museu do Louvre (Paris) e outra, por Louis-Ernest Barrias, nos jardins do Palácio das Tulherias (também em Paris).
Há também estátuas de Espártaco nas cidades de Moscovo (Rússia), Chichester (Inglaterra), Budapeste (Hungria) e Sandanski (Bulgária), pelo menos.
Estátuas de Espártaco em Paris (esq.) e em Chichester (dir.).
À esquerda, estátua de Espártaco, frente ao Estádio do Spartak de Moscovo.
À direita, a gigantesca estátua de Espártaco em Sandanski, na Bulgária.

Das ilustrações, são famosas "A Queda de Espártaco" por Nikolo Sanesi, e "A Morte de Espártaco" por Hermann Vogel.
"A Queda de Espártaco" por Nikolo Sanesi
"A Morte de Espártaco" por Hermann Vogel
Existe uma revista gay com o nome de "Spartacus", assim como existem, ou existiram, vários órgãos de imprensa do Partido Comunista (incluindo o português), com o mesmo nome.
Pelo Bailado, com música de Aram Khachaturyan, registam-se duas notáveis coreografias: uma com o bailarino russo Vladimir Vasiliev, em 1977; e outra, com o cubano Carlos Acosta, em 2008.
Belíssimo cartaz anunciando o espectáculo de bailado dedicado a Espártaco (ou Spartacus)
No cartune, Espártaco é, volta não volta, utilizado como tema por diversos cartunistas.
Tira da série "Frank and Ernest", por Tom Thaves (2015)
Tira da série "Ollie and Quentin", por Piers Baker

Capa e página de "Espártaco e seus Gloriosos Gladiadores", por Toby Brown (texto) e Clive Goddard (ilustrações), in Colecção "Mortos de Fama" - Ed. Companhia das Letras (2009)

Pela 7.ª Arte e afins, há filmes, Cinema de Animação e seriados, ​todos com especulações e exageradas invenções sobre o herói ​trácio. Mesmo assim, talvez o mais conseguido, será a realização ​em 1960, por Stanley Kubrick, e com Kirk Douglas, Tony Curtis, ​Laurence Olivier, Jean Simons, Peter Ustinov, etc.
Cartaz do primeiro filme de "Spartacus" (1913),
com Mario Guaita-Ausonia e realização de Giovanni Enrico Vidale

Cartazes do filme "Spartacus" (1960)
Storyboard de uma cena do filme "Spartacus" (1960), pelo designer norte-americano Saul Bass

O Cinema ​inventou também, em 1962, com realização de Sergio Corbucci ​e interpretação de Steve Reeves, "O Filho de Espártaco"!!!...
​Com este mesmo título, numa fantasia mais suave, Jacques Martin, criou um álbum na série "Alix".
Capa e pranchas de "O Filho de Spartacus", por Jacques Martin - Ed. Casterman (1970)

E como chegámos à ​Banda Desenhada, temos:
O cartunista norte-americano J.P. Arnot (1887-1951) incluiu Espártaco num episódio da série "How do they do it?", em 1916...
Espártaco na série "How do they do it?", por J.P.Arnot, in "Sunday Comic Strip" (King, 1916)
Frank Frazetta desenhou uma "Guerra de Gladiadores" onde Espartaco tem o principal papel...
"War of the Gladiators", por Frank Frazetta, in "Real Life Comics" #50 (Outubro de 1949)

​Fred Funcken, criou uma curta de quatro pranchas, história publicada no # 367 do "Tintin" (belga) e no #207 do "Cavaleiro Andante", em 1955.
Pranchas de "Spartacus", por Fred Funcken, in "Cavaleiro Andante" #207 (1955)

No México, a revista "Epopeya" publicou uma versão de Javier Peñaloza e Delia Larios, com posteriores reedições...

Capa e pranchas de "La Rebelion de Espartaco", por Javier Peñaloza (texto) e Delia Larios (desenhos),
in "Epopeya" #8 - Ed. Novaro (México, 1959)

Os italianos Tosi e Papini realizaram uma versão que foi publicada nos números 503 e 504 do "Cavaleiro Andante"...
"Spartacus" por Tosi e Pappini, in "Cavaleiro Andante" # 503 e #504 (1959) 

John Buscema e Gaylord Du Bois publicaram uma adaptação do filme "Spartacus" com Kirk Douglas na revista "Dell Movie Classic".
Capa da revista "Dell Movie Classic" #1139 - Ed. Dell Comics (EUA, Nov. 1960)
Pranchas de "Spartacus", por Gaylord Du Bois (argumento) e John Buscema (desenhos),
in "Dell Movie Classic" #1139 - Ed. Dell Comics (EUA, Nov. 1960)
Capa de uma edição francesa desta mesma história,
in Colecção Eléphant Blanc #15, Ed. ODEJ (França, 1965)

Aqui ao lado, na vizinha Espanha, Espártaco teve direito a uma revista, com desenhos de Claudio Tinoco Caraballo distribuidos por 26 números.
Capa de "Ladrones de Esclavos", #1 da revista "Espartaco", por Claudio Tinoco Caraballo
in "Colección Galaor de Literatura y Acción" - Ed. Galaor (Espanha, 1964)
Capa de "Roma contra Miriades", #4 da revista "Espartaco" - por Claudio Tinoco Caraballo
in "Colección Galaor de Literatura y Acción" - Ed. Galaor (Espanha, 1964)
Esta colecção foi reeditada, também pelas edições Galaor, em apenas seis números, com as histórias remontadas, num formato ao alto. 
Capas de "Espartaco" - Ed. Galaor (Espanha, 1968)

Jimmy Olsen, o famoso amigo de Superman, viajou no tempo e viveu como Espártaco em "A arena da Morte", de Leo Dorfman e Kurt Schaffenberger...
Capa (de Nick Cardy) e pranchas de "The Arena of Death",
por Leo Dorfman (texto) e Kurt Schaffenberger (desenhos),
in "Superman's Pal Jimmy Olsen" #159 - Ed. DC Comics (EUA, 1973)

Da Ásia chega-nos uma versão indonésia da qual só conseguimos a capa, com arte do ilustrador Nurmiadi...
"Spartacus", por Nurmiadi (Capa de San) - Ed. Maranatha (Indonésia, 1974)

Numa técnica semelhante à banda desenhada, Francesco Palma narrou, em imagens sequenciais pintadas em belíssimos quadros a guache, a "História de Spartacus"...
"A História de Spartacus", por Francesco Palma (c. 1975)

Pelas Ed. Soleil, o álbum "Morituri te salutant..." é o primeiro tomo da série "Spartacus Gladiateur", com argumento de Jean-Luc Istin e desenho de Serge Fino. O segundo tomo não chegou a ser publicado até hoje.
Capa e prancha de "Morituri te Salutant..." por Istin (argumento) e Fino (desenho).
Primeiro tomo da série "Spartacus Gladiateur"Ed. Soleil (2004)  

"Blood and Sand" (Sangue e Areia) - publicada em quatro números pela editora norte-americana Devil's Due Publishing, e lançada antes da estreia da série televisiva com o mesmo nome - tem como autores Steven S. DeKnight, Jimmy Palmiotti, Aaron Helbing, Todd Helbing e Miranda Kwok (no argumento), e Adam Archer, Dexter Soy, Guilherme Balbi, Jon Bosco e Alan Jefferson (nos desenhos).
Mais tarde foi também adaptada a uma série de animação.
Capas dos quatro números de "Blood and Sand" - Ed. Devil's Due Publishing (2009/2010)
Prancha de "Blood and Sand" - Ed. Devil's Due Publishing (2009/2010) 

A revista BD "The Simpsons" inspirou-se na figura de Espártaco para um dos seus episódios... 
"O Imaginário de Milhouse van Houten", por Pat McGreal (texto) e
John Delaney e Andrew Pepoy (desenho e cores),
in "Simpsons One-Shot Wonderers" (Maio de 2012)
Entretanto, desconhecemos o autor desta BD, publicada na revista norte-americana "The Phoenix", onde Espártaco é personagem principal...
Prancha de "Corpse Talk", por autor que, por enquanto, desconhecemos,
in "The Phoenix" #85 (17.08.2013)
Em "La République des Esclaves" Espártaco é, de novo, relembrado e homenageado pela sua coragem, num trabalho de Duval e Pécau...
 
Prancha de "Spartacus et ses Partisans", por Fred Duval (texto) e
Jean-Pierre Pécau (desenhos), in revista "Jour J" #23 - Ed. Delcourt (2016) 

Por fim, registo para a colecção "Xtreme Champion Tournament" (XCT), banda desenhada de Shaun Paulet (criador/editor), Jerry Gaylord (lápis), Alex Sollazo (tintas), Gabriel Cassata (cores) e Przemyslaw R. Dedelis (legendas), entre outros, onde o personagem de Espártaco regressa ao presente sendo forçado a participar num torneio de luta... A edição é da editora online australiana C2M...
Capa e prancha de "Spartacus", por Shaun Paulet, Brendan Halyday, Jerry Gaylord e Gabriel Cassata, in Colecção "Xtreme Champion Tournament" - Ed. Comic2Movie (Austrália, 2019) 

​Pelo seu ideal, a sua valentia e seu sacrifício, através de aspectos históricos e alguns salpicos de lenda, Espártaco merecerá sempre a nossa absoluta admiração.

LB/CR