sábado, 14 de abril de 2018

VIVA ARTUR CORREIA!

Artur Correia e Luiz Beira, em 2013
Em vésperas da inauguração da grande e merecida exposição evocativa da obra de Artur Correia, a realizar-se em Moura e com sessão de honra no dia 21 de Abril, e conforme eu havia acertado com o meu parceiro deste blogue, é agora a minha vez de registar em firme memória a relação de admiração e amizade com mestre Artur Correia. De qualquer modo, ressalvo, palavras nunca exprimem devidamente o que se sente...
Já conhecia alguma obra deste inesquecível desenhista através das publicações “O Pagem” e “Cavaleiro Andante”. Pessoalmente, conhecemo-nos em Janeiro de 1977, quando eu era repórter e redactor do semanário “Branco e Negro”. Aqui laborava também, como cartunista, o Victor Mesquita que amigavelmente me deu os contactos para um trabalho que eu estava a programar sobre os nossos desenhistas.
De uma assentada conheci: Fernando Bento, Artur Correia, Fernandes Silva, Carlos Alberto, Vítor Péon, José Ruy e José Garcês. Tal reportagem foi publicada no mencionado semanário, a 18 de Janeiro de 1977.
Desde logo estes conhecimentos deram resultado a belas amizades, só apartadas com os falecimentos de alguns: Fernando Bento, Vítor Péon, Fernandes Silva, Carlos Alberto e, mais recentemente, a 1 de Março do corrente, de Artur Correia.
É triste reparar que os media, praticamente, só focaram a vertente exemplar de Artur Correia como cineasta do Cinema de Animação, esquecendo a sua obra imensa como desenhista e cartunista!...
Também grave e quase aberrante: raríssimos blogues focaram esta triste notícia!...
É a Pátria madrasta que não merece os geniais artistas que temos!
Da esquerda para a direita: Artur Correia, João Mascarenhas,
Baptista Mendes, José Ruy e Luiz Beira durante o Festival de Beja
Claro que, a pouco e pouco, fui conhecendo outros valores da nossa BD: José Manuel Soares, Ricardo Neto, Manuela Torres, José Antunes, Jobat (ou, José Batista), José Pires, Baptista Mendes, Eugénio Silva, Pedro Massano, Arlindo Fagundes, Santos Costa, Catherine Labey, Augusto Trigo, etc. O Vassalo de Miranda, já o conhecia de Moçambique, quando lá vivíamos. Cito apenas os veteranos...
Talvez porque éramos ambos muito irónicos e brincalhões, o relacionamento com o Artur Correia sempre foi mais intenso pois frequentemente telefonávamos um ao outro. Agora, tal como para os outros que entretanto “se foram da lei da morte libertando” (verso do grande Camões), só posso “telefonar” para o Além, na saudade e na dorida memória, até chegar a minha vez.
Artur Correia, que tantas vezes me salientou a sua admiração pela arte de Fernandes Silva e, nos mais novos, por Jorge Miguel, era não só um extraordinário homem das Artes (Cinema de Animação, Banda Desenhada e Cartune) como de uma impecável personalidade. E frequentemente me salientava o seu puro afecto por mim, pelo Carlos Rico, a que juntou depois, pelo “pessoal” do GICAV. Tinha um verdadeiro coração de oiro!
Para mim e tantos que te estimavam, acredita, estás firme entre nós.
Viva Artur Correia!
LB
             Cartune oferecido por Artur Correia a Luiz Beira em 2013  

Sem comentários:

Enviar um comentário