sexta-feira, 12 de agosto de 2016

DE ACTORES A HERÓIS DE PAPEL (12) - CHARLOT / CHARLIE CHAPLIN

Charlie Chaplin (1889-1977)
O actor Charles Spencer Chaplin, nascido a 16 de Abril de 1889 em Londres (Inglaterra) e falecido a 25 de Dezembro de 1977 (Natal) em Corsier-sur-Vevey (Suíça), tem uma obra fabulosa nos mais diversos campos artísticos, tanto como na sua sempre agitada vida pessoal. Toda esta maravilha é tão enorme, que não nos cabe (nem de perto) aqui registá-la com o devido merecimento...
Vamos pois relatar, de um modo bem resumido, os aspectos mais fundamentais.
Todo o seu fervor pelas Artes começou bem cedo, sempre em actuações admiráveis: actor, argumentista, compositor, mímico e produtor.
Ligado ao Teatro e ao Cinema, por aqui recebeu dois “Oscares” Honorários (em 1929, pelo filme “O Circo” e em 1972 pela sua carreira).
Tem uma larga e invejável filmografia, com curtas e largas metragens, da qual salientamos algumas irresistíveis obras: “O Vagabundo” (1915), “Charlot Maquinista” (1916), “A Rua da Paz” (1917), “Charlot nas Termas” (1917), “O Emigrante” (1917), “Vida de Cão” (1918), “O Garoto de Charlot” (1921), “O Peregrino” (1923), “A Quimera de Oiro” (1925), “O Circo” (1928), “Luzes da Cidade” (1931), “Tempos Modernos” (1936), “O Grande Ditador” (1940), “O Barba Azul” (1947), “Luzes da Ribalta” (1952, onde contracenou com um seu colega, também fabuloso, o famoso “Pamplinas”/Buster Keaton), “Um Rei em Nova Iorque” (1957) e “A Condessa de Hong Kong” (1967).
Uma cena hilariante de Charlie Chaplin, no filme "O Circo" (1928)

Casou quatro vezes: Mildred Harris, Lita Grey, Paulette Goddard e Oona O’Neil.
É como “Charlot que ele é mais famoso mundialmente, atendendo ao “boneco-personagem” que inventou...
No Brasil e na Argentina, é “Carlitos” e na Alemanha, “Der Vagabund”. De resto, é usual o seu nome artístico como “Charlie Chaplin”. E mesmo assim, há filmes de Chaplin, onde o seu personagem “Charlot” não tem qualquer cabimento...
Na Banda Desenhada, que bem se agarrou a ele, Charlot é quase sempre como melhor singra mas, de qualquer modo, aí o marcamos com exemplos na 9.ª Arte:


PORTUGAL - “A Vida Maravilhosa de Charles Chaplin”, criação de José Ruy, em álbum publicado pela Editorial Notícias.
 “A Vida Maravilhosa de Charles Chaplin”, por José Ruy (Editorial Notícias, 1988)

Bernardo Marques desenhou, pelo menos uma prancha, para a revista “Kino”, com o título “O Último Filme de Charlot”...
“O Último Filme de Charlot”, por Bernardo Marques, in revista “Kino”

...e. talvez por fim, a capa e ilustrações de Carlos Arbat e texto de Luis Luque (possivelmente espanhóis), num livro biográfico pela Didáctica Editora.
"Chamo-me... Charles Chaplin", com texto de Luís Duque
e ilustrações de Carlos Arbat (Didática Editora)


INGLATERRA - Bertie Brown, Freddie Adkins e Terence Wakefield, com pranchas apostadas em “Funny Wonder, onde também colaborou no mesmo sentido, Don Newhouse.
Arte de Bertie Brown, in "The Funny Wonder" #72 (1915)
 
Vinhetas desenhadas por Freddie Adkins, in "Funny Wonder" 

Tira desenhada por Terence Wakefield

 
Vinhetas desenhadas por Don Newhouse


ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA - Stewart Carothers...
Tiras da série "Charley Chaplin's Comic Capers", por Stewart Carothers (1915)

Elzie Crisler Segar (criador do famoso marinheiro Popeye), aqui ainda um jovem na casa dos vinte anos...
Tiras de "Charley Chaplin's Comic Capers", por Elzie Crisler Segar (1916)


Ed Carey...
Vinhetas da série "Pas Importede Son-in-Law", por Ed Carey (1916)

J. Keeley, também numa série de tiras...
Capa de "Charlie Chaplin's Comic Capers" #315 (1917)
Capa de "Charlie Chaplin in the Army" #318 (1917)



BÉLGICA - François Craenhals fez uma curta, em quatro pranchas, "Comment Chaplin Créa Charlot”, publicada em 1953, na revista “Tintin”. 
"Comment Chaplin Créa Charlot”, por François Craenhals, in revista “Tintin” (belga) (1953)

...e por sua vez, em parceria, o desenhista Franz (aliás, Franz Drappier) e o argumentista Yves Duval, criaram “Quando Charlot Era Criança”,que foi publicada no “Mundo de Aventuras” n.º 428 (1981).
“Quando Charlot Era Criança”, por Franz e Yves Duval, in “Mundo de Aventuras” #428 (1981)



ESPANHA - No país vizinho publicou-se, entre 1916 e 1924, a revista "Charlot", que incluía histórias deste, mas também de outros personagens...
Capa da revista "Charlot" #1, com desenho de Carlos Gómez Carrera, que assinava "Bluff".
Edição: M. Navarrete (Fevereiro de 1916)

Mais recentemente, uma curta de David Caparrós e Rafael Mata (aliás, AleS)...
"Un Problema de Comunicación", por David Caparrós (guião) e AleS (desenho), in "Duna" #10


BRASIL - Maurício de Sousa não deixou de homenagear Charlot, numa história sem legendas (apesar do uso de balões)...
Charlot numa aventura da Mônica


FRANÇA - pela linha francófona, ainda encontramos, por exemplo, Pierre Lacroix...
Capas #7 e #8 da revista "Charlot", desenhadas por Pierre Lacroix

Jean-Claude Forest...
Prancha de "Charlot Début", com desenho de Jean-Claude Forest,
in Jornal "Vaillant" #385 (1952)

"Charlot Pionnier Interplanetaire", por Montaubert (texto)
e Jeran-Claude Forest (desenhos), Société Parisienne d'Édition (1960)

Philippe Magniaux (com dois tomos publicados em Portugal pela Dom Quixote)...
"Charlot, A Quimera do Ouro", por Philippe Magniaux, Publicações Dom Quixote

Raoul Thoumen (com pranchas publicadas, nos anos 40, na saudosa revista “Diabrete”)...
Prancha de "Os Inventos de Charlot", por Raoul Thoumen,
que serviu de capa ao "Diabrete" #370 
"Os Inventos de Charlot", com desenhos de Raoul Thoumen, in "Diabrete" (anos 40)

Mat (aliás, Marcel Turlin)...
"Charlot au Régiment et Chez les Gangsters", por Marcel Turlin (Mat),
Société Parisienne d'Édition (1963)

...e um certo Serna, do qual não sabemos, por ora, dados mais esclarecedores.
Pranchas desenhadas por Serna

Descobrimos, também, uma versão em francês, da qual igualmente não conseguimos descortinar o(s) autor(es), nem tão pouco a sua nacionalidade.
 
"Charlot au Spectacle", por autor(es) que não conseguimos identificar,
in revista "Charlot" #1 (1973)


Agradecimento: Nossa gratidão sincera aos apoios que nos foram prestados por Jorge Magalhães, Luís Valadas e José Coelho.

Rodapé: “Charlot” também está, em força internacional, através da Filatelia mundial e do cinema de animação
LB




Filme de 1919, realizado por Otto Mesmer e Pat Sullivan

Um dos episódios duma série de animação por computador (produção de 2011),
com o personagem de Chaplin como protagonista

4 comentários:

  1. Admirado. Eu não imaginava que existisse tanto material editado sobre o Chaplin em BD. fantástico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Carlos Almeida
      Pois é amigo, há muita coisa... Mesmo assim, haverá exemplos que nos (a mim e ao C. Rico) escaparam... E deu cá uma trabalheira arregimentar isto tudo!...
      Obrigado pelo teu comentário.
      Um abraço do
      Luiz Beira

      Eliminar
  2. Muito bom o trabalho de vcs. Mostraram verdadeiros "documentos" perdidos nesse nosso vasto mundo. Muito boa compilação. Parabéns. Na verdade, a cultura e a memória é quem agradecem. Vocês prestam um trabalho exemplar de informação e de preservação da memória. Beleza, maravilha !!! afonso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estimado Amigo
      Estas suas palavras amigas tocaram-nos bem fundo, a mim e ao Carlos Rico. Este post, para resultar minimamente correcto (tal como todos os outros que vamos editando no BDBD), foi um dos que nos deu bastante trabalho na pesquisa e na montagem. Ainda bem que gostou!
      Um abração do
      Luiz Beira

      Eliminar